domingo, 21 de agosto de 2011

...



"O que eu quero não tem tamanho, nem dimensão exata. 
É um sentimento estranho, amparador, que traga o calor nas noites frias
e o frio na hora de nos entrelaçarmos embaixo do lençol.
Quero sentir o ar da sua respiração e apreciar seu sono com carinho e tesão simultâneos.
Dentro de mim sou você em pedaços, querendo juntar tudo e reatar os laços.
Por fora, felina, mulher, forte em qualquer esquina;
por dentro, sozinha e frágil nas minhas sombras de menina.
É um mundo confuso, num universo misterioso de pensamento sigiloso e vontade confessa. 
Aprendi a levar a vida sonhando e realizando, sem pressa. Nunca dispersa". 



sábado, 20 de agosto de 2011

Aqui Dentro



Enquanto eu dançar sozinha,
acreditar na minha
e sonhar com que me anima,
saberei que estou em direção 
da leveza pessoal.
Acredito no integro e no parcial
do movimento que encaminha
a energia da minha alma.
Sei que desempenho
o bem, a arte e a espontaneidade
do mutável ponto de vista 
momentâneo ou eterno. 
Algumas coisas transformam,
outras permanecem intactas,
para entendermos que o exato 
pode ser substituído por novas táticas.
Não é um jogo, mas sim um encaixe
de tudo que projetamos,
com o que temos, somos
e nos tornamos diante do mundo.
Do real ao subjetivo,
existe um traço de sensibilidade;
como um fio delicado e de ouro, 
em forma de arame farpado. 
É preciso entregar aos olhos, 
a vista da nossa própria essência. 
Aqui dentro prezo por
amor e consciência. 


terça-feira, 16 de agosto de 2011

Você me deixa Louca



Água na boca,
você me deixa louca.
Vontade de beijar,
engolir, lanhar,
apertar forte,
morder o seu cangote.
Brincar com a sorte.
Ficar contigo,
ser mais que amigos.
Trocar indecências,
dizer adeus as carências.
Entrar na sua,
dançar nua.
Me perder de casa,
esquecer do tempo,
rir de contentamento.
Aprender outro ensinamento,
curtir na integra o momento.
Água na boca,
você ainda me deixa louca.
Desejo que a gente não polpa.
Se ter e ser puro prazer;
juntos de novo, 
só eu e você.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Um momento no tempo

"Até mesmo que não exista, é muito bom desejar e sentir a possibilidade de amar.
Como qualquer sentimento, primeiro ele é pensado, para depois ele ser projetado.
Costuma aflorar de uma imagem, de um som, de um gesto, de um fato.
Mas sempre existirá o mistério de alguém despertar as emoções, 
que fazem os corações baterem mais rápidos.
Que deixam os corpos tremendo, tamanho pode ser a vontade de sentir e de se ter.
Um olhar pode desencadear todo esse processo, que tanto pode aumentar, 
como pode partir com o vento, ficando apenas um momento no tempo.
Da visão pode vir a oportunidade do toque, da troca de energias, 
que deixam as mãos quentes, suadas.
E com o tempo, através de todo conhecimento, 
de cada parte, cada curva, cada espaço, 
desencadeia toda a vontade que parece que jamais termina. 
Que pode parecer ser sempre diferente, 
como se tudo estivesse apenas começando".













por Helio Thompson


segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Amor só te quero Amar


..."Tudo que eu queria era um amor daqueles que a gente sabe que pode ser para vida inteira, com sentimentos intensos, beijos sem intervalos, olhar que fala, respiração que acelerada, crescimento propenso e segundos que não dispenso. Sinto falta dos sonhos a dois, das conquista coletivas e de uma amizade significativa. Amor de querer cuidar mais e mais, por se sentir cuidada e amada no âmago da alma. Aquela coisa de sentir saudades, esperança, dor de barriga e tremedeira em plena segunda-feira. Não desisto de pensar que esse dia ainda vai chegar e vamos juntos nos reencontrar. Amor só te quero amar"... 

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Nocaute



"Depois de ser nocauteada pela vida
aprendi a levantar e dar também.
Subi sem o topo medir,
lá de cima cai.
Mantive a cunduta
nao peguei carona
com nenhum filho da puta.
Depois de ser nocauteada pela vida
aprendi a levantar e dar também.
Chorei no cantinho.
Guardei minhas fraquezas
só mostro pra quem me quer
e me trata com gentileza.
Me curei na dor.
Sacrifiquei caminhos,
por sonhos.
Nao tiro onda de bacana
mas também não do mole pra sacana.
Engulo sapo
e reconheço de longe um pela saco.
Depois de ser nocauteada pela vida,
desafio qualquer um no ringue.
Olho no olho, porque minha estória
sou eu quem escolho".


"Arte Viva - poesias prosas e contos"
Sabrina Mata