sexta-feira, 1 de abril de 2011

Sem desdar o Nó



Então vem você 
e bagunça tudo de novo,
como se pudesse mexer
no intangível da minha alma.
Esfacelar toda a calma
que venho podando
desde a sua partida. 
Com novos recomeços
e diferentes saídas.
Dessa vez não vai rolar,
vou lutar para não me entregar.
Quando você estiver bem cansado,
quase desacreditado, sofrendo
por não me ter mais ao seu lado,
ai sim, quem sabe eu não volte a acreditar
em nós dois e volte a um tempo novo
com um amor velho, de forma madura.
Nunca mais insegura.
Então a gente arruma o relógio,
recria a estação e seguimos em paz.
Juntos sem desdar o nó, 
no caminho de um sonho só.

3 comentários:

  1. Um deambular pouco seguro.
    Às vezes não há como corrigir os caminhos, pelo que desenhar novos rumos é a solução.

    L.B.

    ResponderExcluir
  2. Acho que o tempo cura, muda, transforma e surpreende. Tudo é possível em matéria de amor... novos rumos, novas estratégias, novas almas, novas visões, novos encontros e reencontros.

    LUZ!!

    ResponderExcluir

É muito bom compartilhar idéias e pensamentos com vocês.

Obrigada!