quinta-feira, 10 de junho de 2010

Mata Machado, nós


E aquela familia composta de tantos malucos, so podia ser a minha... 

Ninguém era normal, mas todos eram autênticos e divertidos.
Nosso natal sempre foi especial 
e as brigas fundamentais para uma união desprovida de superioridade.
Aquela familia era a minha.
Pensadores, lunáticos, artistas, gentalhas, doidos e felizes... uma natureza escarsa, 
mas as festas e casamentos inegualáveis aos olhos de quem sabe saborear a vida 
pela união, pela musica e por uma dança livre, onde vinhos e chops são bem vindos.
Ninguém de fora poderia julgar, mas todos sem exceção 
ja foram as berlindas das rodas de fofocas familiares. 
Isso sim era incômodo, mas passivo de entendimento, 
humanos como todos os outros; explosivos como Mata Machado latentes.
Aquela familia era a minha e graças a Deus, 
foi nela que eu me criei, achei e perdi, diversas vezes; 
mas jamais dexei de apreciar os bons e os maus, 
por apenas em nós o mesmo sangue circular 
e nos contras e prós estarmos juntos e sermos nós.



4 comentários:

  1. Tava olhando uns blog e achei o seu muito interessante... estou lhe seguindo no blogger agora, certo?

    Tenha um boom dia...

    ResponderExcluir
  2. Mais uma prima....que bom!!!!!
    Bjo...
    ;-))

    ResponderExcluir

É muito bom compartilhar idéias e pensamentos com vocês.

Obrigada!