quinta-feira, 27 de maio de 2010

Sou o que Sou



Sou o que sou,
Dependendo de como estou.
Pra onde vou.
Do que sonhei,
Como acordei.
Dias de paz, dias de caos.
Sou o que sou,
Naquela manhã,
Diante de um por do sol.
No meio de uma viagem.
Depois de uma briga.
Sou o que sou,
As vezes o que quero ser,
Outras abominável ser.
Sou o que sou, 
Apaixonada,
Mimada, maternal
Lúdica e carnal.
Sou o que sou,
Quando tenho o que quero ter.
Perco sem querer,
Se julgam o meu ser.
Sou o que sou,
Dependendo do momento,
Da circunstância,
E do grau de minha ignorância.
Sem falsa moral,
Então sou o que sou.
Não me leve a mal,
nem eu, nem você,
ninguém é normal.

6 comentários:

  1. "Sou o que sou sem mentiras para mim" já dizia Raul Seixas.

    Gostei do poema!!

    Um abraço!!

    ResponderExcluir
  2. SA, AMEIII...ADORO PESSOAS DIFERENTES, AMO PESSOAS INTENSAS...
    sou eu flavinha,bjãoooo

    ResponderExcluir
  3. adorei esse poema, parece eu, servium muito bem. Assinado Múcio - Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
  4. Você me "mata" Sabrina Mata, com seus poemas!
    http://pensamanzas.blogspot.com/

    ResponderExcluir

É muito bom compartilhar idéias e pensamentos com vocês.

Obrigada!