sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Vila que Vejo


Vila que Vejo

Enquanto o mundo se abria pra mim,

eu me perdia numa vaidade hipócrita,

egocentricamente tola.

Também perdia oportunidades,

as quais mostravam

a crueldade do tempo.

Cicatrizes expostas, doenças incuráveis

e crenças utópicas.

Sociedade ou bordel?

É o que vejo,

nesse vilarejo chamado vida.

3 comentários:

  1. É ótimo escutar estas palavras e ver que olho somente de uma janela,a multiplicidade de janelas se chama mundo, e dor é ver tantas janelas fechadas.
    bj
    Beaumont

    ResponderExcluir
  2. Realmente e muito triste um mundo em que poucos
    tem muito e muitos nao tem nada...

    ResponderExcluir

É muito bom compartilhar idéias e pensamentos com vocês.

Obrigada!